Bananicultura brasileira sob ameaça



A banana é a fruta mais consumida no Brasil. Existem diversos tipos, dentre os quais se destacam banana-prata, banana-maçã, banana-nanica, banana-da-terra e banana-ouro. Quanto aos benefícios do seu consumo, é sabido que previne doenças cardiovasculares, faz bem para o sistema digestivo, aumenta a saciedade, melhora o humor, é benéfica para a visão, reduz câimbra e dores musculares.


Em se tratando de relevância da atividade, a bananicultura movimenta bastante o mercado nacional, tendo uma área de produção estimada em cerca de 500 mil hectares. Subdividindo em estados, se destacam São Paulo, Bahia, Santa Catarina, Minas Gerais e Pará, que somados representam 58% do que é produzido no país, embora haja produção em todos os estados. Essa atividade também traz impactos sociais positivos, pois estima-se que gera 500 mil empregos diretos.


Colocando financeiramente, a nível nacional, a bananicultura é responsável por cerca de R$13,8 bilhões anualmente, sendo os 5 estados citados anteriormente responsáveis por mais de 60% deste valor. Sobre exportações, o Brasil vende apenas 1% do que produz para o exterior, fato que evidencia o grande consumo interno, pois o país é atualmente o quarto maior produtor mundial, atrás apenas de Índia, China e Indonésia.


Entretanto, uma ameaça se aproxima do Brasil: a doença Raça 4 Tropical (RT4), provocada por um fungo que causa a morte das plantas de bananeira por atacar os seus vasos no caule. A doença teve surgimento no final dos anos 90 na Ásia e na Austrália, chegou nas Filipinas em 2008 e a partir de 2010, se espalhou para a África e América do Sul, já atingindo ao menos 18 países em quatro continentes até agora: Ásia, Oceania, África e América do Sul. A preocupação brasileira se dá devido aos recentes avanços em países vizinhos, pois chegou na Colômbia em 2019 e no Peru em abril de 2021.


Para evitar que essa doença chegue ao país, o Brasil já se movimenta com ações como a tentativa de criar, por meio de melhoramento genético, tipos de bananeira resistentes, por parte da Embrapa, que já enviou amostras de algumas variedades que desenvolveu para a Austrália, e entrarão em fase de teste no final de 2021. Além disso, o Ministério da Agricultura está monitorando as fronteiras com a Colômbia e o Peru, no intuito de proibir a entrada de mudas de bananeira oriundas de tais países onde já há registro de contaminação.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo